Julgamentos por Genocídio Nunca Mais

HEIDELBERG – Raramente se lêem notícias tão promissoras: em Junho passado, o Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPIJ) absolveu o antigo líder Sérvio Bósnio Radovan Karadžić de genocídio. Isso pode parecer negativo: Karadžić, que em tempos avisara os Muçulmanos da Bósnia que a guerra os levaria direitos ao inferno, merece certamente ser condenado pelos actos de que foi absolvido – homicídio, assédio e chacina quase inomináveis. Mas por genocídio? Melhor não.

De facto, ficaríamos muito melhor se nos livrássemos do genocídio como um crime de uma vez por todas. O conceito legal do genocídio é tão incoerente, tão nocivo aos propósitos servidos pela lei internacional, que teria sido melhor se nunca o tivéssemos inventado. A absolvição de Karadžić – precisamente por ainda estar a ser julgado noutros processos relacionados com as mesmas atrocidades – é uma oportunidade para nos movermos em direcção ao sensato objectivo de o eliminarmos.

Esta não foi uma absolvição qualquer. O TPIJ decidiu que, depois de um julgamento de dois anos, a acusação não tinha apresentado provas suficientes para qualquer tribunal declarar Karadžić culpado de genocídio no início da Guerra da Bósnia (ele enfrenta uma condenação separada para o massacre de Julho de 1995 em Srebrenica, e a acusação está a recorrer da absolvição). O tribunal tem sido consistente: ao faltarem apenas alguns julgamentos, não emitiu sentenças por genocídio para além de Srebrenica.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/d49e6UR/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.