O Problema de Crescimento do México

PRINCETON – Quando, há mais de 20 anos, o então Presidente do México Carlos Salinas de Gortari, e o seu homólogo Americano, Bill Clinton, assinaram o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA, na sigla inglesa – NdT), esperava-se que a economia Mexicana fosse impulsionada por uma crescente onda de globalização. Em muitos aspectos, essa esperança foi amplamente cumprida.

O volume de comércio externo do México (exportações mais importações) subiu firmemente depois do NAFTA ter entrado em vigor, praticamente duplicando até mais de 60% do PIB. A parte do investimento estrangeiro líquido no PIB triplicou. Embora o México seja um exportador de petróleo, as suas exportações de produtos manufacturados assumiram a liderança, enquanto a economia se tornava cada vez mais integrada nas cadeias de abastecimento Norte-Americanas. A indústria automóvel e a siderurgia, outrora ineficientes e mantidas a funcionar por barreiras comerciais proteccionistas, são hoje altamente produtivas e prósperas.

Como tantos outros países, de início o México foi duramente atingido pela concorrência Chinesa nos mercados globais, especialmente depois da China se ter tornado membro da Organização Mundial do Comércio, no fim de 2001. Mesmo assim, a proximidade do México ao mercado dos EUA e às suas conservadoras políticas monetárias, fiscais e laborais forneceram uma protecção significativa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/2MXItO9/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.