Mata e deixa morrer

NOVA IORQUE – Numa estranha mas adequada coincidência, o presidente Barack Obama e o seu adversário republicano, Mitt Romney, realizaram o seu debate final – que se centrou na política externa - exatamente no mesmo dia em que o novo filme de James Bond, Skyfall, teve a sua estreia mundial em Londres. Apesar de 007, que comemora este ano o seu 50.º aniversário, ser uma marca mundial de origem britânica, a sua influência sobre o espírito político norte-americano – e esta influência sobre Bond – é óbvia.

Na verdade, a mais recente produção é uma parceria anglo-americana e o herói violento de acção de operações especiais que Bond tem corporizado, reflecte os pressupostos dos EUA sobre a política externa e o Estado de Direito. O debate presidencial apenas reforçou o enredo dominante em tempo real: Assassinar pessoas (inclusive cidadãos norte-americanos) unicamente por ordem do presidente, outrora considerado um crime de guerra, transformou-se numa série de aplausos.

Isso é tão verdadeiro para Romney como tem sido para Obama. Romney afirmou que a sua política externa era “muito simples”. Resumia-se a, “perseguir os maus, certificarmo-nos de que damos o nosso melhor para os parar, para os matar, para os tirar de cena”. Por outras palavras, ele iria “matá-los” onde fossem encontrados e não somente no campo de batalha, mas também noutros países soberanos, como o Paquistão, sem acusação ou julgamento.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/Z6qWak8/pt;