A Dieta Nuclear do Irão

MADRID - Após longos anos de esforços internacionais infrutíferos para acabar com as manobras astutas do Irão para desenvolver armas nucleares, a questão hoje já não é saber se o Ocidente pode impedir a nuclearização do arsenal militar do Irão, mas sim se o regime islâmico desmorona primeiro. Infelizmente, se isso não acontecer, a única opção para travar o Irão é a guerra - e a guerra é uma péssima opção.

Vale a pena invocar o Paquistão ao avaliar se as sanções agora impostas ao Irão forçarão o país a prescindir do seu programa nuclear. Em 1965, o Ministro dos Negócios Estrangeiros paquistanês, Zulficar Ali Bhutto, fez uma declaração que ficou famosa: se a Índia, seu inimigo confesso, se nuclearizasse, o seu país iria "comer erva e até passar fome", para conseguir desenvolver a sua própria bomba nuclear. Actualmente, o Paquistão, um país quase falido à beira da desintegração, possui mais ogivas nucleares do que a Índia.

O regime teocrático do Irão, imerso numa luta imensa pela resistência contra o que considera uma aliança profana entre Israel, o "Grande Satã" americano e um mundo árabe circundante que abomina as suas ambições hegemónicas, não abdicará facilmente das suas ambições nucleares. Na verdade, as armas nucleares parecem ser a única via real para a auto-preservação do regime.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/gmBe1Vw/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.