A desigualdade e a Internet

BERKELEY – A conclusão de que a América se tornou muito mais desigual ao longo dos últimos 35 anos é incontestável. Desde 1979, o padrão tem sido claro: quanto mais rico alguém for, muito mais rico se torna. E se for pobre, provavelmente continua pobre.

Mas o mesmo período também tem sido uma época de rápida mudança tecnológica. Os Estados Unidos estão a passar por uma terceira revolução industrial, uma convulsão da era da informação que poderia ser tão importante como as suas antecessoras, que transformaram a sociedade através da introdução do vapor, do ferro, do algodão e das máquinas e, depois, da combustão interna, da electricidade e do aço.

Hoje, quase todos os residentes de um país desenvolvido - e em breve a maior parte do resto do mundo - podem facilmente comprar um smartphone, ganhando assim o acesso barato a um universo de conhecimento humano e entretenimento que, até há uma geração, estava muito longe do alcance de todos, a não ser dos ricos. Será possível que as medidas convencionais de desigualdade e de rendimento subestimam muito o quão bom nós temos?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/nFD38ol/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.