A Inflação de Hugo Chávez

CIDADE DO MÉXICO – Os apoiantes do Presidente venezuelano recentemente falecido, Hugo Chávez e mesmo muitos dos seus críticos, sublinharam várias vezes a suposta concretização de dois objectivos que farão fulgurar o seu legado. Primeiro, a percentagem de pessoas que vivem em situação de pobreza desceu abruptamente para cerca de 28% em 2012, após um pico de 62% registado em 2003 (embora três anos antes, no início do primeiro mandato de Chávez, o valor correspondente fosse de 46%,). O segundo objectivo alcançado traduziu-se no facto de Chávez ter incutido na maioria dos venezuelanos um sentido de identidade, de orgulho e de dignidade, que há muito lhes era negado por uma oligarquia de pele clara, corrupta e elitista.

No entanto, as duas razões alegadas são apenas parcialmente verdadeiras e somente em parte se devem às recorrentes vitórias eleitorais de Chávez - 13 das 14 votações populares, incluindo referendos. Quanto ao primeiro objectivo, tanto a revista The Economist como o Nobel da literatura, Mario Vargas Llosa, estavam certos ao relativizar as consecuções de Chávez. Quase todos os países da América Latina reduziram significativamente as situações de pobreza desde o início deste século, estando as dimensões dos progressos realizados na dependência de linhas de base e de imposição de datas-limite, de anos positivos e de anos negativos, da fiabilidade dos dados oficiais e de outros factores.

As razões destes progressos são bem conhecidas: à excepção de 2001 e de 2009, os restantes anos foram de crescimento para os países exportadores de produtos de base, como o Brasil, a Argentina, o Peru, o Chile e, claro, a Venezuela, bem como para as economias baseadas no sector produtivo, como é o caso do México. Além disso, durante estes cerca de 15 anos, a maioria dos governos conseguiu gerir as suas contas de forma responsável: com défices orçamentais muito pequenos ou inexistentes, baixos níveis de inflação, programas de combate à pobreza bem direccionados, etc.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/bWisUh4/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.