Evitar a Argélia no Egipto

PORTO – O golpe militar que derrubou o primeiro presidente democraticamente eleito do Egipto e que levou à detenção de líderes da Irmandade Muçulmana em todo o país representa um perigo enorme não apenas para a transição democrática do Egipto, mas também para as esperanças democráticas de todo o mundo Árabe.

O facto de o golpe ter sido executado com enorme apoio popular é um sinal das enormes dificuldades enfrentadas pela Irmandade Muçulmana durante a sua primeira experiência no poder. O governo do Presidente Mohamed Morsi lutou para enfrentar as crises económicas e sociais herdadas pelo Egipto após as enormes expectativas públicas criadas pela revolução de 2011, cujos protagonistas procuravam não apenas a liberdade, mas também o desenvolvimento económico e a justiça social.

Claro que a Irmandade Muçulmana foi também vítima dos seus próprios erros, especialmente do falhanço de Morsi e do seu governo em chegar à oposição laica, que contribuiu para a sua eleição. O governo de Morsi não pareceu capaz de entender que uma ténue maioria eleitoral não é suficiente, especialmente hoje em dia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/eizFqeM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.