mchen1_XAVIER GALIANAAFP via Getty Images_waste pickers Xavier Galiana/AFP via Getty Images

Um New Deal para os trabalhadores informais

CAMBRIDGE – No início da década de 1930, o então presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, apresentou o New Deal [plano de recuperação da economia dos EUA] numa tentativa de combater os efeitos da Grande Depressão. O programa teve três pilares principais: o alívio (para os desempregados), a recuperação (da economia e geração de empregos) e a reforma (através de novos regulamentos e programas de assistência social).

A crise causada pela COVID-19 apresenta uma oportunidade para outro New Deal – um que reconheça, proteja e apoie os trabalhadores informais, que representam 61% da mão de obra mundial, mas não têm seguro de saúde, baixa médica remunerada ou pensões. A maioria destes trabalhadores produz bens essenciais, como alimentos, leite, roupas, sapatos e habitação, ou fornece serviços essenciais como assistência médica, apoio social à criança, assistência a idosos, limpeza, entrega, transporte, gestão de resíduos e distribuição de alimentos.

A natureza indispensável destes empregos, que a pandemia destacou, exige uma estratégia com os mesmos três pilares que Franklin D. Roosevelt defendeu – auxílio, recuperação e reforma – mas todos com o objetivo de ajudar os trabalhadores informais. No entanto, muitos aspetos das atuais medidas governamentais de recuperação da COVID-19 ameaçam os trabalhadores informais.

To continue reading, register now.

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

or

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

https://prosyn.org/xYKk1EVpt