Os Anti-Europeus da Europa

PARIS – Em 2005, dois membros fundadores da União Europeia, a França e os Países Baixos, rejeitaram por referendo popular o proposto tratado constitucional da UE. Dois partidos de extrema-direita destes países, a Frente Nacional Francesa e o Partido da Liberdade Holandês, formaram agora uma aliança para as eleições do Parlamento Europeu em Maio de 2014. Esperam atrair partidos similares noutros países da UE e formar um bloco parlamentar suficientemente poderoso para matar “o monstro da Europa”, como Geert Wilders, o líder do Partido da Liberdade, chama à UE.

Não foi por acidente que a França e os Países Baixos tomaram a dianteira desta iniciativa sórdida. Ambos os países atravessam uma profunda crise de identidade que se está a transformar num desdém pela Europa, por estrangeiros, migrantes, e todos os que representam o “outro”. E em ambos os países presencia-se um aumento da suspeita popular relativamente às elites políticas tradicionais.

Neste ambiente, as próximas eleições para o Parlamento Europeu parecem ser feitas à medida para os partidos extremistas, com as sondagens recentes à opinião pública a sugerir que a Frente Nacional ficará à frente na França. As eleições Europeias deixam a maior parte dos cidadãos indiferentes, o que se traduz numa fraca afluência às urnas – excepto para aqueles que, definidos por aquilo a que se opõem, desejam exprimir a sua raiva e frustração com o status quo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/WfWUF37/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.