Os Perigos do Consenso Económico

PRINCETON – A Iniciativa sobre Mercados Globais, baseada na Universidade de Chicago, questiona periodicamente um grupo de economistas da vanguarda académica, de diferentes quadrantes políticos, sobre as questões da actualidade. Na sua última ronda questionou-se se o plano de estímulo do presidente Barack Obama ajudou a reduzir o desemprego nos Estados Unidos.

Conhecido oficialmente como a Lei para o Reinvestimento e Recuperação Americana de 2009, o plano implicava despesas do governo superiores a 800 mil milhões de dólares em infra-estruturas, educação, saúde e energia, incentivos fiscais, e vários programas sociais. Implementado durante uma crise económica, foi a resposta Keynesiana clássica.

Os economistas foram praticamente unânimes. Trinta e seis dos 37 economistas de topo que responderam ao questionário disseram que o plano fora bem-sucedido no seu objectivo declarado de reduzir o desemprego. Justin Wolfers, economista da Universidade de Michigan, comemorou o consenso no seu blogue do New York Times. O debate público virulento sobre se o estímulo fiscal funciona, queixava-se, tornou-se completamente desligado daquilo que os especialistas sabem e em que concordam.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Ja8CpE0/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.