Bike sharing community Martin Tod/Flickr

Auto-disrupção criativa

LAGUNA BEACH – À semelhança de muitos leitores, ainda me lembro claramente de quando a Nokia tinha uma posição dominante no sector dos telemóveis, com mais de 40% do mercado e a Apple era apenas uma empresa de computadores. Lembro-me de quando a Amazon era conhecida apenas pelos livros e os táxis sujos ou as limousines de elevado preço eram a única alternativa aos transportes públicos ou à viatura pessoal. E lembro-me de quando os Four Seasons, os Ritz Carlton e os St. Regis deste mundo competiam entre si, e não com a Airbnb.

Hoje, posso ser velho, mas não sou assim tão velho. Estas mudanças ocorreram recentemente e de forma rápida. Como ocorreram? O ritmo da mudança irá manter-se acelerado ou amentará ainda mais? E qual deverá ser a resposta das empresas?

As indústrias podem ser transformadas por meio mudanças económicas, financeiras, políticas e regulamentares descendentes. Mas as empresas como a Airbnb, a Amazon, a Apple e a Uber exemplificam um tipo diferente de transformação: os intervenientes hábeis invadem outros sectores sem relação aparente e exploram brilhantemente enormes oportunidades anteriormente despercebidas. Ao fazê-lo servem grandemente e de modo algo surpreendente as suas competências essenciais e não as dos sectores que procuram perturbar.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/5C5DkyH/pt;