Reconfigurar o Futuro Urbano da China

BEIJING – Cerca de 100 milhões de Chineses vivem em pobreza extrema, e perto de 275 milhões gastam menos do que 2 dólares por dia. A esmagadora maioria dos pobres da China vive em áreas rurais, e, para muitos, a esperança de uma vida melhor reside nas cidades, onde é mais fácil encontrar empregos mais bem remunerados. Na verdade, durante as últimas três décadas e meia, uns impressionantes 500 milhões de Chineses já fizeram esse caminho, elevando a proporção urbana da população do país de menos de 20% em 1980 para metade, hoje em dia. Em 2030, espera-se que 70% de todos os Chineses vivam em cidades.

A urbanização da China apoiou inquestionavelmente o impressionante crescimento e a rápida transformação económica do país. As suas cidades forneceram terrenos baratos e mão-de-obra abundante, ao mesmo tempo que os governos locais se empenharam em atrair de investimento e criar empregos.

Mas as tensões começam a ser visíveis. O modelo de crescimento da China, assente no investimento e nas exportações, está a perder vitalidade. A expansão e a congestão urbanas alastram, fomentando a agitação entre os agricultores, que se sentem espoliados pela perda das suas terras – uma fonte vital de garantias para a dívida dos governos locais (que actualmente totaliza 30% do PIB).

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/2fD4oMc/pt;