Fighting AMR Media for medical/Getty Images

Como combater a resistência antimicrobiana

ZURIQUE —Há duas semanas, os líderes do G20 assumiram o compromisso de trabalhar em conjunto para enfrentar uma das ameaças no domínio da segurança mais prementes e desconcertantes do mundo: a resistência antimicrobiana (RAM) —um adversário feroz e em evolução contra o qual as armas terapêuticas convencionais são inúteis.

A ameaça é evidente: as bactérias e outros micróbios estão a tornar-se resistentes aos medicamentos disponíveis a um ritmo mais acelerado do que o do desenvolvimento de novos medicamentos. Todos os anos, os micróbios resistentes a medicamentos são responsáveis pela morte de cerca de 700 mil pessoas em todo o mundo —mais do triplo do número anual de mortes decorrentes de conflitos armados.

Em 2016, um painel especial encomendado pelo governo britânico previu que até 2050, pelo menos mais dez milhões de pessoas morrerão anualmente devido a micróbios resistentes a medicamentos. A RAM representa actualmente um perigo claro e eminente para todas pessoas no planeta. Se não a enfrentarmos directamente, poderemos voltar a um mundo em que é comum as pessoas morrerem de uma simples infecção.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/lOBQ3p2/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.