akileswaran1_SiaKAMBOUAFPGettyImages_childrenassemblingrobot Sia Kambou/AFP/Getty Images

Como África se pode adaptar à revolução digital

LONDRES – A Quarta Revolução Industrial está a reconfigurar o mundo laboral. Enquanto os decisores políticos do Ocidente se esforçam por dar resposta, a tarefa enfrentada pelos governos africanos parece ainda mais intimidante. Para navegarem pelos desafios e oportunidades da era digital, os decisores políticos do continente têm de acolher a adaptação e a experimentação.

A maioria dos países desenvolvidos actuais, bem como os que transformaram as suas economias na segunda metade do século XX, depende da indústria orientada para as exportações para aumentar a produtividade e criar um grande número de empregos. Mas os robôs, a Internet das Coisas e a impressão 3D podem alterar tanto a indústria nos próximos anos, que os países africanos que pretendam percorrer o mesmo caminho não terão o mesmo retorno, especialmente em termos da criação de empregos.

Porém, como defendemos num relatório recente, estas e outras tecnologias também oferecerão aos governos africanos novos modos de resolver desafios sociais e de impulsionar o crescimento económico. Por exemplo, a utilização de sensores, da Big Data e da aprendizagem automática pode aumentar grandemente a produtividade agrícola do continente. A aplicação da inteligência artificial a plataformas personalizadas de aprendizagem pode transformar o ensino básico em muitos países africanos, onde os resultados permanecem medíocres apesar do aumento da frequência escolar. E a tecnologia blockchain poderia facilitar transacções que requeiram níveis elevados de confiança, como as aquisições de terrenos.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/ZHFtWaOpt