European Union flag European Union flag/Pixabay

The Year Ahead 2016

A solidariedade europeia num mundo de crises

BRUXELAS – O fim do ano é sempre uma época de balanço. Agora que 2015 chegou ao fim, pode dizer-se que foi um ano em que a solidariedade europeia (correndo o risco de parecer demasiado dramático) resistiu ao que poderia ter sido uma das maiores dificuldades com que se defrontou desde o fim da II Guerra Mundial.

A solidariedade europeia foi severamente posta à prova durante grande parte do ano pela crise grega, cujos efeitos económicos e sociais continuam a fazer-se sentir na zona euro e em toda a União Europeia. Desde o início do ano, as negociações sobre a Grécia têm posto à prova a paciência de todos nós. Perdeu-se muito tempo e muita confiança. Queimaram-se pontes. Foram proferidas palavras que dificilmente poderão ser retiradas. Vimos as democracias da Europa viradas umas contra as outras.

Toda a Europa se aproximou do abismo, só retrocedendo quando chegou mesmo à beira do precipício. No final, os Estados-Membros da UE ficaram do lado da Grécia. Assumiram-se compromissos, que foram aplicados e respeitados, e um novo programa está agora em vigor. A solidariedade europeia prevaleceu e a confiança começou a ser restabelecida O essencial agora é a concretização das reformas. Além disso, a Comissão Europeia continua a apoiar a Grécia através de um novo Serviço de Apoio à Reforma Estrutural, bem como da prestação de apoio técnico em todos os passos do que ainda será uma longa caminhada.

To continue reading, please subscribe to On Point.

To access On Point, log in or register now now and read two On Point articles for free. For unlimited access to the unrivaled analysis of On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/wVrhpFU/pt;
  1. Donald Trump delivers his address to a joint session of Congress  Bill Clark/CQ Roll Call/Getty Images

    Trump’s Abominable Snow Job

    • In the 2016 US presidential election, Donald Trump presented himself as a populist who would protect America’s “forgotten” workers from the disruptions of trade and immigration and the nefarious designs of unnamed elites.

    • But, a year after assuming office, it has become abundantly clear that “America first” means workers come last.
  2. Project Syndicate

    PS Commentators’ Best Reads in 2017

    • For the first time, Project Syndicate has asked its contributors what they’ve been reading, and why. 

    • Their choices may surprise, but surely will not disappoint, readers seeking the most important books on history, politics, economics, as well as more than one novel.