Skyscraper in Shanghai, China Skyscraper in Shanghai/Pixabay

The Year Ahead 2016

Exportar o modelo Chinês

STANFORD – À medida que 2016 começa, trava-se uma competição histórica entre modelos concorrentes de desenvolvimento (isto é, de estratégias para promover o crescimento económico) entre a China, num lado, e os EUA e os outros países Ocidentais no outro. Embora esta competição tenha sido grandemente ocultada da vista do público, o resultado determinará o destino de grande parte da Eurásia nas próximas décadas.

A maior parte dos Ocidentais está consciente de que o crescimento abrandou substancialmente na China, desde mais de 10% por ano nas últimas décadas até menos de 7% hoje (e possivelmente menos). Em resposta, os líderes do país não ficaram imóveis, procurando acelerar a mudança de um modelo orientado para as exportações e ambientalmente danoso, baseado na indústria pesada, para um modelo baseado no consumo interno e nos serviços.

Mas também existe uma grande dimensão externa nos planos da China. Em 2013, o Presidente Xi Jinping anunciou uma iniciativa gigantesca chamada “Um Cinturão, Uma Estrada”, que transformaria o núcleo económico da Eurásia. A componente Um Cinturão consiste em ligações ferroviárias desde a China ocidental através da Ásia Central e daí para a Europa, o Médio Oriente, e a Ásia Meridional. A componente estranhamente denominada Uma Estrada consiste em portos e instalações para incrementar o tráfego marítimo na Ásia Oriental e ligar estes países ao Cinturão, dando-lhes um modo de mover os seus bens para o interior do continente, em vez de percorrerem dois oceanos, como fazem agora.

To continue reading, please subscribe to On Point.

To access On Point or our archived content, log in or register now now and read two On Point articles for free and 2 archived contents. For unlimited access to the unrivaled analysis of On Point and archived contents, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/FH2h8vp/pt;
  1. Andia/UIG via Getty Images

    No Robo-Apocalypse

    Growing fears that automation and artificial intelligence will destroy jobs and create a “surplus population” are understandable. But whether the future of work will serve the many instead of the few is not up to the robots; it is up to us.

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.