Reflexões de um Prisioneiro sobre Nelson Mandela

CARCÓVIA – Diz-se que o encarceramento nos deixa com um sentimento de impotência e vulnerabilidade. Mas a verdade da vida para um prisioneiro político, mesmo para alguém em greve da fome, é precisamente o oposto. Como prisioneira, fui forçada a focalizar-me no que é essencial sobre mim mesma, as minhas crenças políticas, e o meu país. Por isso quase consigo sentir a presença das corajosas mulheres e homens, velhos e novos, que se reuniram em Kiev e outras cidades Ucranianas para defender os seus sonhos de um futuro democrático e Europeu. Na prisão, as nossas esperanças e sonhos tornam-se na nossa realidade.

Tenho a certeza que Nelson Mandela teria compreendido os meus sentimentos e concordado. O regime Sul-Africano do apartheid pode tê-lo aprisionado durante quase três décadas, mas nos grandes protestos do Soweto e nas outras manifestações pela liberdade e igualdade, os corajosos jovens Sul-Africanos miravam invariavelmente o seu exemplo e sentiam a sua presença.

Em todo o mundo, a maioria das pessoas celebra agora justamente a dignidade dócil com que Mandela tirou a África do Sul do deserto político. Mesmo aqui, atrás das grades da prisão e sob uma vigilância contínua do mesmo tipo que ele experienciou durante tanto tempo, consigo conjurar o calor do seu sorriso aberto, dos seus olhos alegres, e daquelas coloridas camisas Havaianas que ele usava com tanto garbo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/bCfVKua/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.