Colmatar o vazio de liderança global

SEUL – Terá o mundo entrado numa nova era de caos? A política indecisa dos Estados Unidos em relação à Síria parece indicar que assim é. Na verdade, o amargo legado das invasões do Iraque e do Afeganistão, seguidas da crise financeira de 2008, provocaram nos Estados Unidos um sentimento de relutância em usar o seu poder militar, inclusivamente quando são ultrapassadas as “linhas vermelhas”, e também uma aparente renitência em suportar quaisquer ónus de maior para manterem a sua posição de liderança global. Contudo, se a América já não está disposta a liderar, quem ocupará o seu lugar?

Os líderes da China demonstraram não ter interesse numa liderança global activa, rejeitando abertamente os apelos no sentido de se tornarem um "participante responsável" nos sistemas políticos e económicos internacionais. Entretanto, embora a Rússia possa desejar manter a ilusão de que é uma potência global, ultimamente, parece estar principalmente interessada, sempre que possível, em dificultar a acção dos EUA - mesmo quando, ao fazê-lo, age contra os seus interesses a longo prazo. Acresce o facto de a Europa enfrentar demasiados problemas internos para assumir qualquer papel significativo de liderança nos assuntos globais.

Não é de admirar que esta crise de liderança tenha prejudicado seriamente a eficácia das instituições internacionais, de que são exemplo a resposta ineficaz do Conselho de Segurança das Nações Unidas relativamente à crise da Síria e o fracasso da actual ronda de negociações comerciais da Organização Mundial do Comércio (OMC). Esta situação assemelha-se ao que sucedeu na década de 1930 - um período no qual, de acordo com o historiador da economia, Charles P. Kindleberger, um vazio de liderança originou uma subprodução dos bens públicos globais, agravando a Grande Depressão.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/vN0BjVN/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.