A estratégia ocidental para a era digital

MUNIQUE – Neste fim-de-semana, Helmut Schmidt e Henry Kissinger irão participar numa discussão na Conferência de Segurança de Munique (MSC) - à semelhança do que fizeram há meio século, quando fizeram parte do primeiro “Internationale Wehrkunde-Begegnung” (o precursor da conferência actual). No entretanto, muitos desenvolvimentos em todo o mundo têm nos dado motivos para nos alegrarmos - mas também para reflectirmos.

Não são apenas as crises que se estendem da Ucrânia até à Síria que impedirão a MSC, a quinquagésima, de se tornar num exercício de auto-celebração. A parceria transatlântica, tradicionalmente a espinha dorsal da conferência, já viu melhores dias do que estes.

Os Estados Unidos da América reconheceram pelo menos agora que uma grande dose de confiança perdeu-se nos últimos meses, devido à escala de vigilância realizada pela sua Agência de Segurança Nacional (ASN). O discurso do Presidente Barack Obama sobre as reformas das actividades de recolha dos serviços secretos dos EUA, bem como a sua posterior entrevista na televisão alemã, representaram uma primeira tentativa para voltar a ganhar a confiança dos aliados dos Estados Unidos da América. Mas sinalizam, no máximo, o início de um diálogo transatlântico intensivo sobre o tema.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/G04yZOd/pt;