Os EUA com o Irão na Síria

PRINCETON – A perspectiva de um ataque militar dos EUA na Síria perdeu força, após o Presidente Barack Obama ter abraçado uma iniciativa internacional para controlar o arsenal de armas químicas da Síria. A inversão de marcha, à última hora, na insistência para uma acção militar aconteceu num cenário de pressão diplomática crescente, por parte da comunidade internacional, para evitar a escalada da violência na Síria. E esse resultado não será possível sem o Irão.

Numa conferência de imprensa conjunta com o seu congénere Sírio, Walid al-Moallem, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Russo Sergey Lavrov apresentou uma proposta, originalmente discutida com o Irão, solicitando à Síria que “colocasse os locais de armazenamento de armas químicas sob controlo internacional.” Os arsenais seriam seguidamente destruídos e a Síria aderiria plenamente à Convenção Internacional sobre Armas Químicas. A segunda componente da proposta Russo-Iraniana apela a esforços internacionais, sob os auspícios do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para controlar as capacidades de armas químicas das forças rebeldes Sírias.

Moallem aceitou imediatamente a proposta. Horas mais tarde, o Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon fez o mesmo, enquanto Obama disse que “espero fervorosamente que isto possa ser resolvido de um modo não-militar.”

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/gK9kpmr/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.