Os EUA com o Irão na Síria

PRINCETON – A perspectiva de um ataque militar dos EUA na Síria perdeu força, após o Presidente Barack Obama ter abraçado uma iniciativa internacional para controlar o arsenal de armas químicas da Síria. A inversão de marcha, à última hora, na insistência para uma acção militar aconteceu num cenário de pressão diplomática crescente, por parte da comunidade internacional, para evitar a escalada da violência na Síria. E esse resultado não será possível sem o Irão.

Numa conferência de imprensa conjunta com o seu congénere Sírio, Walid al-Moallem, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Russo Sergey Lavrov apresentou uma proposta, originalmente discutida com o Irão, solicitando à Síria que “colocasse os locais de armazenamento de armas químicas sob controlo internacional.” Os arsenais seriam seguidamente destruídos e a Síria aderiria plenamente à Convenção Internacional sobre Armas Químicas. A segunda componente da proposta Russo-Iraniana apela a esforços internacionais, sob os auspícios do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para controlar as capacidades de armas químicas das forças rebeldes Sírias.

Moallem aceitou imediatamente a proposta. Horas mais tarde, o Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon fez o mesmo, enquanto Obama disse que “espero fervorosamente que isto possa ser resolvido de um modo não-militar.”

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/gK9kpmr/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.