A revolução de Malala

ISLAMABAD – Os homens que tentaram matar a jovem de 14 anos, Malala Yousafzai, no dia 9 de Outubro sabiam o que ela representava. A sua participação activa desde os 11 anos em campanhas pelo direito à educação das raparigas, na sua região, era bem conhecida.

Os esforços de Malala, enquanto eram aplaudidos pelo Ocidente e por alguns segmentos da sociedade paquistanesa, foram encarados negativamente pelas forças obscurantistas que atendem pelo nome de talibãs e que se auto-intitulam no Paquistão de Tehrik-e-Taliban Pakistan. A escolha do seu nome é irónica; Taliban, uma palavra árabe, significa aqueles que procuram ser educados, mas o objectivo principal dos talibãs é manter as sociedades muçulmanas na ignorância para que possam ser convencidas a adoptarem uma versão do Islão do século VII.

A educação, particularmente das mulheres, constitui um obstáculo para alcançarem esse objectivo. Mas o ataque a Malala irá, muito provavelmente, ter um efeito contrário ao que era esperado por quem o realizou.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/iJJ6ONI/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.