A Fúria do Futebol

PARIS – Quem poderia ter adivinhado isto? Aí estavam, os Brasileiros, a protestar junto dos estádios de futebol, contra o facto de o seu país acolher o Campeonato do Mundo de 2014 – e isto ao mesmo tempo que a sua selecção nacional derrotava a Espanha na final da Taça das Confederações. Era como se os Católicos protestassem junto do Vaticano contra a escolha de um novo Papa.

Aquilo que a culinária representa para os Franceses, é o que o futebol representa para os Brasileiros: uma questão do mais elevado orgulho nacional. Independentemente das suas diferenças económicas, raciais, ou políticas, todos os Brasileiros se envaidecem por ter a melhor selecção do mundo, por ganhar muitas vezes o Campeonato do Mundo, e por inventar e reinventar o “jogo bonito”. A realização do próximo Campeonato do Mundo no Brasil, bem como dos Jogos Olímpicos de 2016, embora o torneio de futebol por si só custe perto de 13 mil milhões de dólares, parece uma jogada lógica. O futebol pertence ao Rio de Janeiro.

Então, o que se terá apoderado do jovem Brasileiro de 19 anos que disse aos repórteres: “Não precisamos do Campeonato do Mundo. Precisamos de educação, de melhores serviços de saúde, de polícia mais humana.” Muitas pessoas sentem o mesmo. Terão milhões de Brasileiros perdido subitamente a sua paixão pelo jogo?

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/qUdnVi8/pt;