A solução para o caso insolucionável da Síria

BERLIM – O plano da Rússia e dos EUA com vista a eliminar as armas químicas da Síria - presentemente consubstanciado na Resolução 2118 do Conselho de Segurança das Nações Unidas - pode abrir caminho a uma abordagem mais construtiva para pôr termo à guerra civil do país, uma vez o Conselho de Segurança exige igualmente que a Conferência de Genebra II sobre a Síria, há muito planeada, seja realizada o mais rapidamente possível. É legítimo que assim seja: a eliminação dos arsenais de armas químicas da Síria e o processo político para acabar com a guerra devem ocorrer em simultâneo.

Em termos práticos, os esforços para controlar, garantir a segurança e, por fim, destruir o enorme arsenal de armas químicas da Síria não podem ser implementados sem que haja, pelo menos, um cessar-fogo duradouro. Mas a sincronização dos dois processos é necessária igualmente em virtude de outras razões.

Além do sofrimento humano causado pela guerra em curso na Síria, devemos ter consciência das consequências regionais potencialmente graves. Actualmente, algumas pessoas lançam o alerta para a "Libanização" da Síria – a divisão do país em feudos rivais e regiões semi-independentes. Contudo, a fragmentação da Síria não é o único cenário plausível.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Ql2qzy6/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.