O futuro de Fukushima

TÓQUIO – Passaram dois anos desde o acidente nuclear de Fukushima e o interesse internacional no seu impacto está a começar a diminuir. Mas esse impacto continua a ecoar - e não apenas no debate público mundial sobre o futuro da energia nuclear. Mais de cem mil pessoas continuam deslocadas devido ao acidente, algumas perderam a família, a casa, os bens e até mesmo a vontade de viver.

No Japão, a indústria nuclear, os reguladores e o governo têm a responsabilidade de explicarem de forma clara o porquê de a ciência e de a tecnologia não terem conseguido minimizar o risco e as consequências deste acidente num país geologicamente vulnerável,​como o Japão; o porquê de a limpeza exageradamente cara estar a ser realizada em áreas de baixa contaminação, onde o impacto insignificante na saúde pública é esperado; e o porquê de nenhum sistema bem definido e operacional de gestão de resíduos ter sido estabelecido. As lições que se aprenderam podem ajudar não só a reduzir o risco de acidentes futuros, mas também a facilitar a reparação em zonas do mundo que tenham sido contaminadas por substâncias radioactivas ou outras substâncias tóxicas.

O Japão tem uma forte reputação internacional no que diz respeito à gestão de catástrofes naturais. Mas a “tempestade perfeita” do maior terramoto e tsunami desde a industrialização e a fusão dos núcleos de três reactores na central de Fukushima Daiichi, foram além de qualquer cenário anteriormente previsto. O governo nacional e as comunidades locais do Japão não tinham nenhum plano de emergência para a situação que enfrentaram nas zonas contaminadas, resultando em respostas ad hoc marcadas pela ineficiência e pela falta de comunicação, especialmente no que diz respeito ao risco radiológico.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/wbSDslW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.