Matar a lula à fome

BERKELEY – Será que o sector financeiro da América está lentamente a drenar o sangue vital da sua economia real? A descrição memorável do jornalista Matt Taibbi do Goldman Sachs, em 2009 - “uma grande lula vampira envolta no rosto da humanidade, a drenar implacavelmente o seu sangue com um funil para dentro de qualquer coisa que cheira a dinheiro” - ainda ressoa e por boas razões.

Em 2011, reparei que os sectores financeiros e de seguros nos Estados Unidos representavam 2,8% do PIB, em 1950, contra os 8,4% do PIB, três anos após a pior crise financeira em quase 80 anos. “Se os EUA estivessem a receber um bom valor dos...750 mil milhões de dólares extra desviados anualmente, do pagamento a pessoas que fabricam bens úteis e prestam serviços úteis directamente, seria óbvio nas estatísticas”.

Tal desvio maciço de recursos “distantes dos bens e dos serviços que foram directamente úteis este ano”, argumentei, “só é um bom negócio se impulsionar o crescimento económico global anual em 0,3% - ou 6% por cada geração de 25 anos”. Por outras palavras, é um bom negócio apenas se tiver colectivamente uma quantidade substancial daquilo a que os especialistas em finanças chamam de “alfa”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/vApOybK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.