A China e o Sonho Americano

PARIS – A China poderá estar apenas a alguns anos de tornar-se a principal potência económica do mundo e a centralidade estratégica dos EUA poderá estar em declínio (de facto, actualmente ninguém se refere aos Estados Unidos como a "hiperpotência" mundial). Mas a América ainda faz as pessoas sonharem e a sua influência emocional no mundo continua a ser única.

Neste sentido, a semana passada trouxe duas vitórias: não apenas a de Barack Obama sobre o candidato republicano, Mitt Romney, nas eleições presidenciais, mas também a vitória do sistema democrático americano sobre o autoritarismo unipartidário da China. Algumas frases do discurso de vitória de Obama - o espaço de um momento mágico - foram dedicadas à celebração do "mistério da democracia" de forma muito concreta, mas também de um modo quase religioso.

Obama encontrou as palavras certas para prestar homenagem à multidão de cidadãos anónimos que andava de porta em porta a convencer os seus concidadãos americanos a votarem nos seus candidatos preferidos. Obama estava a descrever a democracia no seu melhor, naquilo que de mais nobre tem, tal como deveria ser, mas nem sempre é: homens e mulheres livremente mobilizados, capazes de e dispostos a mudar o rumo do seu destino.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/N4tjIDB/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.