A crise da cooperação

PARIS – a ascensão das economias emergentes em todo o mundo tem gerado um grande optimismo, não só em termos de desenvolvimento económico, mas também de cooperação global. Mas a mudança para uma ordem mundial multipolar não reforçou o multilateralismo. Na verdade, aconteceu o contrário: a lógica da soberania nacional foi palco de um retorno, com grandes economias a enfraquecerem de forma consistente a cooperação em questões que vão desde a segurança do comércio até às alterações climáticas.

Vejam com atenção a confusão que há no Conselho de Segurança das Nações Unidas em relação à guerra civil na Síria. Há apenas dois anos, o Conselho aprovou uma medida que autoriza a intervenção militar na Líbia – a primeira medida para implementar o princípio “responsabilidade de proteger” (R2P), o qual a assembleia geral aprovou por unanimidade em 2005.

Mas as potências emergentes logo começaram a acreditar que o Ocidente tinha usado a protecção da população civil da Líbia como pretexto para a mudança de regime (embora, realisticamente, teria sido impossível proteger a população, sem derrubar o governo de Muammar Kadafi). Agora, estes países estão largamente a rejeitar o R2P, vendo-o como um dispositivo usado pelos governos ocidentais para legitimar as suas tentativas de infringirem a soberania nacional.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/rk0oTsI/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.