A Democratização Oculta da China

XANGAI – Desde que Xi Jinping foi ungido como o novo Presidente da China, as notícias sobre a repressão oficial de dissidentes quase não diminuíram. Mas, embora a crítica ao historial dos direitos humanos na China possua mérito evidente, é importante não perder de vista a extensão da genuína mudança política na China.

Desde 1978, o sistema político da China patrocinou a transferência de uma ampla gama de poderes económicos do estado para o povo. Como resultado, os Chineses podem gerir quintas familiares, possuir casas e empresas, controlar as suas escolhas educacionais, patentear invenções, e acumular fortunas. É precisamente o exercício destes direitos individuais que criou os alicerces para a transformação económica em curso na China.

Ao criar os diversos e contraditórios interesses económicos privados típicos de uma sociedade capitalista, a China teve de criar uma série de instituições para clarificar e mediar o exercício destes direitos. Estes dispositivos institucionais emergentes incluem o direito contratual e comercial, códigos de falência e do trabalho, e tribunais que supervisionem a sua aplicação. Mais recentemente, comissões locais, organizações não-governamentais, uma cada vez mais assertiva comunicação social, e manifestações públicas autorizadas transformaram-se em canais instituídos para a mediação de conflitos sociais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/ysuPiBK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.