A razão pela qual Bo roubou as luzes da ribalta

CLAREMONT, CALIFÓRNIA – À medida que o julgamento mediático prossegue, o drama com Bo Xilai, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês (PCC) de Chongqing, outrora arrogante e consciente da comunicação social, desviou-se anomalamente em direcção à improvisação. Antes de o processo começar, a sabedoria convencional dizia que o argumento do julgamento de Bo tinha sido cuidadosamente escrito e ensaiado para retratar um pecador desesperado e arrependido a confessar os seus crimes e a pedir desculpas ao partido.

Mas o julgamento histórico de cinco dias dissipou qualquer ideia de que Bo iria tranquilamente para a sua cela na infame prisão Qincheng de Pequim, onde os principais líderes da China que caíram estão encarcerados. Ele desafiou a acusação vigorosamente, defendendo-se com uma agressividade que surpreendeu quase todos os que lêem as transcrições cedidas pelo tribunal em tempo real no primeiro dia do julgamento.

Bo rejeitou um dos seus acusadores por ter “vendido a sua alma”. Caracterizou o testemunho dado pela sua esposa, Gu Kailai, que cumpre actualmente uma pena de morte suspensa por ter assassinado o empresário britânico Neil Heywood, em 2011, como sendo “cómico” e “ficcional”, e chamou-a de “louca”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/68cYNFa/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.