5

Os Herdeiros da Desigualdade

ROMA – Já há muito se sabe que surtos de crescimento económico rápido podem aumentar a desigualdade: a China e a Índia são os mais recentes exemplos. Mas poderão o crescimento lento e a desigualdade crescente – as duas características mais salientes das economias desenvolvidas nos dias de hoje – estar também ligados?

Essa é a intrigante hipótese de um estudo recente do economista Francês Thomas Piketty da Escola de Economia de Paris. Piketty desenvolveu alguns dos mais importantes trabalhos sobre desigualdade em anos recentes.

Tirando partido da precisão burocrática Francesa, Piketty conseguiu reconstruir as contas nacionais Francesas por mais de dois séculos. A economia de 1820 até à I Guerra Mundial – uma espécie de segundo ancien regime – tinha duas características notáveis: crescimento lento – cerca de 1% ao ano – e uma porção desmedida de riqueza herdada, responsável por cerca de 20-25% do PIB.

A ligação entre crescimento lento e a importância da herança, argumenta Piketty, não era coincidência: com a riqueza herdada a render 2-3% ao ano e os novos investimentos apenas 1%, a mobilidade social era extremamente limitada e a estratificação era encorajada.