A Falta da América

BERLIM – Madeleine Albright, a antiga secretária de estado dos EUA, descreveu uma vez os Estados Unidos como a “nação indispensável.” Desenvolvimentos actuais em todo o mundo provam que tinha razão. Mas a prova tem sido quase inteiramente negativa: Hoje, a importância da América tornou-se evidente na sequência da ausência de liderança dos EUA numa crise após outra – uma ausência que é mais imediatamente óbvia na Síria.

Na verdade, um mundo pós-Americano toma forma diante dos nossos olhos, caracterizado não por uma nova ordem internacional, mas por ambiguidade política, instabilidade, e mesmo caos. Isto é infeliz, e pode tornar-se tão perigoso que até antiamericanos convictos venham a ansiar pelo antiquado século Americano e pelo papel dos EUA como força global para a ordem.

Tanto subjectiva como objectivamente, os EUA já não estão dispostos nem são capazes de desempenhar esse papel. Houve muitas causas: uma década de guerra no Médio Oriente, com o seu enorme custo em “sangue e dinheiro”; a crise financeira e económica; elevada dívida pública; reorientação para os problemas internos; e uma nova concentração nos assuntos do Pacífico. Acrescente-se a isto o declínio relativo da América tendo em conta a ascendência da China e de outros grandes países emergentes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/E85cgK2/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.