Margaret Scott

O fim da Grande Guerra na Síria

NOVA DELI – À medida que o Ocidente começa a preparar-se para o centenário da eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914, o Médio Oriente está a ser convulsionado, como nunca tinha sido antes, pelo legado da dissolução do Império Otomano. Basta olharmos para o caso da Síria, onde uma parte desse legado - o acordo Sykes-Picot, que dividiu o Levante em esferas de influência britânicas e francesas, mesmo quando a Grande Guerra ainda assolava - está a chegar ao fim de forma brutalmente violenta.

Da mesma maneira, a actual turbulência na Turquia é, pelo menos em parte, uma consequência do “neo-otomano” excedido pelo governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan. Na tentativa de estabelecer o tipo de influência regional que os turcos não tiveram desde que Kemal Ataturk fundou a República da Turquia, Erdogan tem sido alvo de alguma da arrogância do regime Otomano.

O Levante tem sido, é claro, palco de inúmeros conflitos ao longo dos séculos. Sir Archibald Wavell, um dos maiores generais britânicos da Segunda Guerra Mundial e penúltimo vice-rei da Índia, escreveu na sua biografia do marechal Edmund Allenby da Primeira Guerra Mundial, que liderou os aliados no Levante: “A maior proeza na história da cavalaria e, possivelmente, o seu último sucesso em grande escala, tinha terminado a uma curta distância do campo de batalha de Issus, onde Alexandre o Grande mostrou pela primeira vez como é que as batalhas poderiam ser ganhas”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/dhshwRH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.