A imaginação mundial do protesto

NOVA IORQUE - Quando uma pintura grafiti apareceu, na Primavera passada, numa parede perto do Ministério do Interior na Tunísia, com os dizeres “Obrigado, ‘Facebook’”, não foi só o elogio a uma rede social que facilitou a revolta do país. Foi também a celebração do sentimento de experiência partilhada que definiu a revolução tunisina - e os muitos outros protestos e revoluções históricas que surgiram em 2011.

À medida que recolhíamos ensaios para o nosso novo livro, From Cairo to Wall Street: Voices from the Global Spring, descobrimos queuma das características que define a nova era do protesto é a articulação do desejo e a capacidade de ligação - dos bairros, das cidades, dos países e até dos continentes. Em cada país contribuinte, uma nova consciência de destinos partilhados e de uma comunidade global espalhou movimentos de protesto. A tecnologia social-media foi uma ferramenta que permitiu o seu avanço, bem como a reconceptualização do significado de espaço público e da visão de que a pluralidade de ideias é superior ao dogma – que o acto de colaboração é tão importante quanto o resultado.

Sendo assim, estas não foram apenas revoluções políticas. Foram também revoluções de ideias - a globalização do protesto como estratégia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/fYutt2k/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.