A Falésia Fiscal e a Política Externa dos EUA

PRINCETON – O mundo deveria preocupar-se. A possibilidade de que o Presidente Barack Obama e os Republicanos no Congresso não atinjam um compromisso, antes que profundos e obrigatórios cortes da despesa e aumentos dos impostos entrem em efeito no dia 1 de Janeiro, é bem real. Os mercados globais estão bem conscientes do perigo dos Estados Unidos caírem da “falésia fiscal”, e observam nervosamente. Sabem que este resultado pode bem enviar os EUA – e o mundo – de volta à recessão.

Os ministros dos negócios estrangeiros em todo o mundo deveriam estar igualmente nervosos. A não ser que os EUA ponham ordem nos seus assuntos fiscais domésticos, serão obrigados a abdicar da liderança num largo espectro de assuntos globais críticos.

No curto prazo, a Síria e os seus vizinhos já estão a pagar o preço da incapacidade da América de se focar em algo para além da política nacional desde a reeleição de Obama. No meu ponto de vista, a crise Síria encontra-se num ponto de viragem: embora seja agora visível que a oposição acabará por ganhar e que o Presidente Bashar al-Assad irá cair, a duração da fase final do jogo será um elemento-chave que determinará quem na verdade tomará o poder e em que termos ocorrerá essa tomada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/qiZSCuo/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.