Degelos Fatais

MOSCOVO – Durante a Guerra Fria, a União Soviética e, de modo mais brando, os Estados Unidos, impuseram limites externos às actividades dos estados e das sociedades, fazendo com que alguns conflitos prolongados entre países mais pequenos “congelassem”. A seguir ao colapso da União Soviética na década de 1990, esses conflitos começaram a “descongelar.”

Com tensões interétnicas em escalada, a Jugoslávia foi o primeiro país a dissolver-se num conflito. Pouco depois, a guerra rebentou entre a Arménia e o Azerbaijão, seguida por lutas na Transnístria e na Chechénia. Enquanto alguns conflitos foram enfrentados – o Ocidente acabou por intervir militarmente na ex-Jugoslávia; e a Rússia lutou na Chechénia durante quase uma década, impondo a paz na Transnístria – outros, como os conflitos entre a Arménia e o Azerbaijão, foram simplesmente congelados mais uma vez.

Felizmente, nem todos os conflitos potenciais deflagraram. A União Soviética não se dissolveu em violência, como a maioria dos outros impérios – um resultado que não parece explicar-se apenas pela intervenção divina ou pela mera sorte. Apesar dos crescentes sentimentos nacionalistas e das suspeitas mútuas, os países da Europa Central e de Leste também souberam evitar o conflito, graças à rápida aceitação na OTAN e na União Europeia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/lLkFP1O/pt;