Mas qual comunidade internacional?

NOVA IORQUE – Sempre que algo de mau acontece – o Irão estar mais perto de adquirir armas nucleares, o disparo de outro míssil por parte da Coreia do Norte, as mortes de civis a atingirem outro marco terrível na guerra civil da Síria, os satélites a revelarem uma alarmante taxa de gelo polar a derreter – algum representante ou observador recorrerá à comunidade internacional para agir. Há apenas um problema: não há nenhuma “comunidade internacional”.

Parte da razão deriva da ausência de qualquer mecanismo para “o mundo” se unir. A Assembleia Geral das Nações Unidas aproxima-se mais, mas não se pode esperar muito de uma organização que equipara os Estados Unidos ou a China com, digamos, as Fiji ou a Guiné-Bissau.

Para ser justo, quem fundou a ONU, depois da Segunda Guerra Mundial, criou o Conselho de Segurança como o ponto de encontro no qual as grandes potências se iriam reunir para determinarem o destino do mundo. Mas até isso não funcionou como estava planeado, em parte porque o mundo de 2013 tem poucas semelhanças com o de 1945. De que outra forma se poderia explicar que a Grã-Bretanha e a França, mas não a Alemanha, o Japão ou a Índia, sejam membros permanentes com poder de veto?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/YJBvZp5/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.