A Situação Real das Revoluções Árabes

BERLIM – Dois anos após as revoltas populares terem começado a agitar o Médio Oriente, já são poucos os que falam de uma "Primavera Árabe". A esperança de um futuro brilhante para o Médio Oriente desapareceu, em consequência da guerra sangrenta na Síria, da ascensão ao poder das forças islâmicas através de eleições livres, do agravamento das crises políticas e económicas no Egipto e na Tunísia, de uma crescente instabilidade no Iraque, da incerteza sobre o futuro da Jordânia e do Líbano e das ameaças de guerra devido ao programa nuclear do Irão.

Se acrescentarmos as regiões periféricas a leste e a oeste – o Afeganistão e o Norte de África (incluindo o Sahel e o Sul do Sudão) – o panorama torna-se ainda mais negro. De facto, a situação da Líbia está cada vez mais instável, a Al-Qaeda está activa na região do Sahel (como se pode constatar pelos conflitos no Mali) e não é possível prever que acontecerá no Afeganistão após a retirada dos Estado Unidos e dos seus aliados da OTAN em 2014.

Todos temos tendência para cometer o mesmo erro várias vezes: no início de uma revolução pensamos que a verdade e a justiça triunfarão sobre a ditadura e a crueldade. Mas a história ensina-nos que, normalmente, o que se segue nada tem de positivo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/BbatE9z/pt;