O jogo sem fronteiras da Ásia

NOVA DELI – Actualmente, muitas pessoas parecem estar cada vez menos preocupadas com a questão da nacionalidade e a Internet permite-lhes estabelecer relações estreitas com culturas e pessoas distantes. Mas os países continuam extremamente sensíveis à inviolabilidade das suas fronteiras. Afinal, o território – incluindo terra, oceanos, espaço aéreo, rios e fundos marinhos - é fundamental para a identidade de um país e determina a sua segurança e política externa.

Os países podem responder aos litígios territoriais, quer através da renúncia a alguns aspectos de soberania, enfraquecendo assim o seu poder e influência, quer através da adopção de uma estratégia nacional de defesa mais robusta, destinada a combater os actuais desafios e a evitar futuras ameaças. Actualmente, muitos países asiáticos preferem a segunda opção.

Observem-se os litígios territoriais que agitam o Oceano Índico e outras regiões do Sudeste Asiático, desencadeados pelos esforços reiterados - e cada vez mais firmes - da China para reivindicar a sua soberania sobre vastas extensões marítimas. À medida que as incursões da China reacendem divergências há muito latentes e ameaçam desestabilizar o status quo regional, os países da Ásia estão a reconsiderar as suas posições estratégicas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/T2hYbvV/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.