Quando acabar o dinheiro fácil

LONDRES – A partida do Presidente da Reserva Federal dos EUA, Ben Bernanke, alimentou as especulações sobre quando e como a Reserva Federal e os outros bancos centrais irão reduzir as suas colossais aquisições de activos a longo prazo, também conhecidas como flexibilização quantitativa (QE quantitative easing). Os observadores aproveitam todos os novos dados económicos para prever a continuação da QE ou uma aceleração do seu declínio. Contudo, é necessário prestar mais atenção ao impacto que qualquer dos resultados terá nos diferentes agentes económicos.

É incontestável a dimensão dos programas de QE. Desde o início da crise financeira, a Reserva Federal, o Banco Central Europeu, o Banco de Inglaterra e o Banco do Japão recorreram à QE para injectar mais de 4 biliões de dólares de liquidez adicional nas suas economias. Quando estes programas terminarem, os governos, alguns mercados emergentes e algumas empresas poderão encontrar-se vulnerabilizados. É necessário que se preparem.

Um estudo realizado pelo McKinsey Global Institute indica que a redução das taxas de juro poupou aos governos dos EUA e da Europa cerca de 1,6 biliões de dólares entre 2007 e 2012. Esta benesse inesperada permitiu o aumento das despesas públicas e a diminuição da austeridade. Se as taxas de juro retrocedessem às cifras de 2007, os pagamentos de juros relativos à dívida pública poderiam sofrer um aumento de 20%, mantendo-se constantes outros factores.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/Bn5kJGE/pt;