A Economia do Conhecimento Tácito

CAMBRIDGE – Quase todos os países ricos são ricos porque exploram o progresso tecnológico. Transferiram a maior parte da sua mão-de-obra da agricultura para as cidades, onde o conhecimento prático pode ser mais facilmente partilhado. As suas famílias têm menos crianças e educam-nas mais intensivamente, facilitando assim o progresso tecnológico adicional.

Para se tornarem ricos, os países pobres deverão sofrer uma mudança equivalente: reduzir o emprego na agricultura, tornarem-se mais urbanos, ter menos crianças, e manter mais tempo na escola as crianças que tiverem. Se o fizerem, as portas da prosperidade abrir-se-ão. E isso não está já a acontecer?

Comparemos, por exemplo, o Brasil em 2010 com o Reino Unido em 1960. O Brasil em 2010 era 84,3% urbano; a sua taxa de fertilidade era de 1,8 nascimentos por mulher; a sua mão-de-obra tinha uma média de 7,2 anos de escolaridade; e os licenciados constituíam 5,2% dos trabalhadores potenciais. Estes indicadores escolares são melhores do que os do Reino Unido em 1960. Nessa altura, o Reino Unido era 78,4% urbano; a sua taxa de fertilidade era de 2,7; a sua mão-de-obra tinha em média seis anos de escolaridade, e os seus licenciados constituíam menos de 2% dos trabalhadores potenciais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/ImHaUAM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.