A Medida Incorrecta da Tecnologia

CAMBRIDGE – Não há nada melhor que a linguagem vaga para causar confusão – ou para facilitar o consenso. Ludwig Wittgenstein argumentou que na verdade os paradoxos filosóficos são apenas uma consequência do uso inapropriado da linguagem. Por outro lado, a arte da diplomacia consiste em encontrar linguagem que possa esconder o desacordo.

Uma ideia com a qual os economistas concordam quase unanimemente é a de que, para além da riqueza mineral, a maior parte da grande diferença de rendimento entre os países ricos e pobres não é imputável ao capital ou à educação, mas antes à “tecnologia”. Então o que é a tecnologia?

A resposta explica o consenso invulgar entre os economistas, porque a “tecnologia” é medida como uma espécie de categoria “nenhuma das anteriores”, uma categoria residual – o laureado com o Nobel Robert Solow apelidou-a de “produtividade total de factores” – que se mantém inexplicável, após se contabilizarem outros meios de produção, tais como o capital físico e humano. Como foi adequadamente notado em 1956 por Moses Abramovitz, este residual não é mais do que “uma medida da nossa ignorância.”

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/e9xxT2x/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.