Paolozzi/Newton/Istvan/Flickr

A ausência do know-how nos argumentos de Piketty

CAMBRIDGE – Os contextos teóricos são fantásticos, porque permitem-nos compreender aspectos fundamentais de um mundo complexo em termos muito mais simples, tal como mapas fazem. Mas, tal como os mapas, eles só são úteis até certo ponto. Os mapas de estradas, por exemplo, não vos dizem quais são as condições de tráfego actuais ou fornecem actualizações sobre obras nas estradas.

Uma forma útil de entender a economia mundial é através do contexto elegante apresentado por Thomas Piketty no seu célebre livro O Capital no Século XXI. Piketty divide o mundo em duas essências fundamentais - capital e trabalho. Ambos são usados na produção e na comparticipação nos lucros.

A principal distinção entre os dois é que o capital é algo que se pode comprar, possuir, vender e, em princípio, acumular sem limite, como os super-ricos fizeram. O trabalho é o uso de uma capacidade individual que pode ser remunerada mas não pode ser propriedade de terceiros, porque a escravidão acabou.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/kJ0eJ6i/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.