Globe facing Europe

Afastar a Europa da beira do abismo

DAVOS – Em 2007, os EUA contraíram uma gripe económica grave, e altamente contagiosa. Oito anos depois, o país está finalmente a dar mostras de uma recuperação convincente. Tão convincente que, pela primeira vez em quase dez anos, a Reserva Federal dos EUA aumentou no mês passado a taxa de juro de base do país. O estado da Europa, porém, ainda é crítico. Não só não recuperou da gripe do período pós-2008 (assolado por múltiplas crises), com está agora à beira de uma pneumonia.

A melhor defesa contra os agentes patogénicos é um forte sistema imunitário. E é isso que actualmente faz falta à Europa, sob a forma de líderes políticos que ofereçam uma visão inspiradora e progressista aos seus cidadãos. Com níveis de descontentamento em relação à política não observados desde os tempos mais negros do continente na década de 1930, o risco de a Europa vir sucumbir às forças destrutivas do populismo afigura-se cada vez maior.

No entanto, ainda é muito cedo para abandonar a esperança. Pelo contrário, a Europa está bem posicionada para ter êxito a longo prazo. A fim de garantir esse futuro, em vez de debater-se para fazer face às crises que vão surgindo, a classe política da Europa deve começar a considerar o panorama mais vasto, antecipar e enfrentar os desafios e voltar a inspirar as pessoas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/3T9vjy0/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.