rama1_GENT SHKULLAKUAFP via Getty Images_albaniaafghanrefugees Gent Shkullaku/AFP via Getty Images

A responsabilidade da OTAN de salvar afegãos

TIRANA – Existem poucas páginas mais honrosas na história da Albânia do que seu exemplo solitário de heroísmo ante a destruição do judaísmo europeu durante a Segunda Guerra Mundial. Ninguém pediu aos nossos avós que arriscassem, e muitas vezes sacrificassem, suas vidas para salvar pessoas do Holocausto, mas inúmeros albaneses - muçulmanos, cristãos e ateus - fizeram exatamente isso. Graças ao código de honra albanês, que exige que todos nós ofereçamos abrigo a estranhos necessitados, a Albânia foi o único país da Europa com mais judeus no final da guerra do que no início.

Imediatamente depois, sofremos perseguição em primeira mão. Após prevalecer sobre nossos inimigos externos, encontramos em casa um adversário igualmente cruel: um regime totalitário opressor que prendeu, torturou e assassinou aqueles que considerava inimigos.

Vivemos o que o povo do Afeganistão enfrenta agora enquanto o Taleban consolidou o poder em todo o país. Vivíamos em um estado que fechava suas fronteiras e perseguia dissidentes e suas famílias, assim como se imagina que o Taleban vá fazer com seus adversários. Durante quase 50 anos, aspiramos ter a liberdade que os afegãos experimentaram nos últimos 20 anos e que agora parecem ter a certeza de perder.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/jsRaTT0pt