Para além do massacre de Nairobi

NAIROBI – O Quénia deu um suspiro de alívio colectivo quando o cerco de quatro dias no centro comercial Westgate de Nairobi finalmente terminou. No entanto, as consequências do massacre estão em muitos aspectos a tornar-se tão dramáticas - e terríveis - como o próprio acontecimento em si.

A sofisticação da trama surpreendeu os investigadores. Os agressores - membros do grupo extremista islamista somali, al-Shabaab, - passaram semanas a explorar o local. Eles conheciam todas as saídas e todos os abrigos seguros e parece que alugaram uma loja onde colocaram com antecedência as munições, os explosivos e o armamento pesado. O modo como usaram a comunicação social foi um estudo de caso em virtuosismo digital.

Os agressores fizeram uma exigência clara: o Quénia tem de retirar as forças que colocou há dois anos, como parte de um esforço internacional para conduzir o movimento al-Shabaab para fora da Somália e devolver ao país o poder do governo e uma aparência de vida normal. O seu ataque, segundo eles, serviu principalmente como um aviso ao governo do Quénia: mudem a vossa política, senão... Os atacantes também protagonizaram uma grande cena ao dizerem ao mundo que tinham tido um cuidado especial para protegerem a vida dos irmãos muçulmanos durante o assalto.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/puSwsX8/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.