A Dama de Ferro como Libertadora

KHARKIV, UCRÂNIA - A prisão é sempre um local de luto. Mas, talvez tenha sido adequadamente lúgubre saber da morte de Margaret Thatcher neste local, porque me fez lembrar a sociedade aprisionada da minha juventude, que Thatcher tanto fez por libertar.

Para muitos de nós que crescemos na União Soviética e nos seus satélites da Europa de Leste, Margaret Thatcher será sempre uma heroína. Thatcher não só abraçou a causa da liberdade - particularmente da liberdade económica - na Grã-Bretanha e no Ocidente; considerando Mikhail Gorbachev como um homem "com quem se podia negociar" (numa época em que quase todos os líderes democráticos eram profundamente cépticos relativamente às suas políticas de perestroika e de glasnost), como se tornou um catalisador vital para pôr termo às nossas sociedades de Gulag.

De facto, a "Dama de Ferro" tornou-se um ícone secular para todos aqueles que, no antigo mundo comunista, procuravam construir uma sociedade livre a partir dos destroços do totalitarismo. A sua coragem e persistência - em seguir adiante "não se deixando influenciar" - representaram para nós um exemplo vivo de um tipo de liderança que não cede em momentos de perigo político. Serviu-me de inspiração a fidelidade que mantinha aos seus princípios e a sua absoluta determinação em lutar uma e outra vez, quando a causa era justa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/N6I7dqg/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.