O Oeste sobrecarregado

BERLIM – As consequências caóticas da desintegração gradual da PaxAmericana estão a tornar-se cada vez mais evidentes. Durante sete décadas, os Estados Unidos salvaguardaram um quadro global que, embora imperfeito e sem considerar os erros cometidos pela superpotência, garantiu de um modo geral um nível mínimo de estabilidade. No mínimo, a Pax Americana foi um componente essencial da segurança ocidental. Mas os EUA já não querem ou não conseguem ser o polícia do mundo.

O elevado número de crises e conflitos que o mundo enfrenta actualmente - na Ucrânia, no Iraque, na Síria, em Gaza e na Líbia - está associado à nova posição marcada pelos Estados Unidos. Caso estas situações se viessem a manifestar em outra zona sísmica do mundo político, nomeadamente na Ásia Oriental, o mundo teria de enfrentar uma catástrofe global resultante da sincronicidade de numerosas crises regionais. Seria, obviamente, uma crise que ninguém poderia controlar ou conter.

O mundo bipolar da Guerra Fria passou à história; George W. Bush desperdiçou o breve momento dos Estados Unidos como única verdadeira superpotência. Até ao momento, a globalização económica não deu origem a um enquadramento de governação global. Talvez estejamos no meio de um processo caótico que conduzirá a uma nova ordem internacional - ou, o que é mais provável, estejamos apenas no início de tal processo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/OouRG1I/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.