A alma ucraniana da Europa

BERLIM – O próximo mês de Novembro marcará o primeiro aniversário da revolta Euromaidan em Kiev. Grande parte da população da Ucrânia - e os jovens em particular - ergueu-se em oposição à recusa do então Presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, em assinar o acordo de associação  entre a União Europeia e o país (finalizado depois de muitos anos de negociações), defendendo a adesão a uma união aduaneira com a Rússia. Isto teria equivalido a uma mudança a Leste para a Ucrânia, com acesso à União Eurasiana do Presidente russo, Vladimir Putin, afastando qualquer possibilidade de alguma vez aderir à UE.

Tendo em vista a crise em curso da Ucrânia, este ponto de partida – a primeira revolução pró-europeia no século XXI, provocada pela oposição à influência russa e corrupção e ineficiência pós-soviética – é importante ter presente.

Muito já aconteceu desde então: a Rússia lançou uma guerra não declarada, ocupando primeiro e anexando depois a Crimeia. No Leste da Ucrânia, o Kremlin continuou a guerra – que, em termos militares, parece impossível ganhar para as autoridades de Kiev – na região de Donbas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/yPCLrbu/pt;