O banqueiro central do mundo

BERKELEY – Nos dias de hoje, a Reserva Federal dos Estados Unidos está amplamente satisfeita com a sua política monetária. Mas, desde meados de 2007, a sua política tem sido insuficientemente expansionista. A política com mais probabilidade de ter sucesso neste momento seria análoga à aplicada pela Fed em 1979 e 1933, pela Grã-Bretanha em 1931 e por Shinzo Abe hoje.

Aqueles que temem que a abordagem da Fed aprofundou muito o mal-estar da economia dos EUA e que está a transformar o desemprego cíclico da América num permanente não-emprego estrutural a longo prazo perderam o argumento da política monetária nacional. Mas há outro argumento relacionado com a política que precisa de ser adicionado. A Fed não se resume apenas a ser o banco central dos EUA; é o banco central do mundo.

O actual regime de taxas de câmbio da América é um regime de taxas variáveis – ou pelo menos de taxas que podem variar. Nas décadas de 1950 e 1960, economistas como Milton Friedman partiram do princípio que um regime global de taxas de câmbio variáveis seria um regime no qual os valores da moeda moviam-se lentamente e gradualmente juntamente com diferenças na inflação da economia e nas taxas de crescimento de produtividade.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/jncyuUl/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.