A Grande Depressão

BERKELEY – Primeiro, foi a crise financeira de 2007. Depois, tornou-se na crise financeira de 2008. Em seguida, foi o declínio de 2008-2009. Finalmente, em meados de 2009, foi apelidada de a “Grande Recessão”. E, com a deslocação do ciclo empresarial para uma trajectória ascendente no final de 2009, o mundo soltou um suspiro de alívio colectivo. Acreditava-se que não teríamos de passar para o próximo rótulo, que iria inevitavelmente conter a temida palavra que começa pela letra D.

Mas a sensação de alívio foi prematura. Ao contrário das afirmações dos políticos e dos seus assessores principais de que o “Verão da recuperação” tinha chegado, os Estados Unidos da América não sentiram um padrão em forma de V da recuperação económica, como sentiram após as recessões do final da década de 1970 e do início da década de 1980. E a economia dos EUA permaneceu muito abaixo da sua tendência de crescimento anterior.

Na verdade, de 2005 a 2007, o PIB real (ajustado pela inflação) da América cresceu pouco mais de 3% ao ano. Durante a baixa de 2009, o número era 11% inferior - e, desde então, caiu cerca de uns adicionais 5%.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/Hcj7i5h/pt;